SANTIDADE

Atenção, abrir em uma nova janela. PDFImprimirE-mail

Introdução

“E digo isto, e testifico no Senhor, para que não andeis mais como andam também os outros gentios, na vaidade da sua mente [...]. Os quais, havendo perdido todo o sentimento, se entregaram à dissolução, para com avidez cometerem toda a impureza [...]. E vos renoveis no espírito da vossa mente; e vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade” (Efésios 4.17, 19, 23,24).
 
Bíblia, Eu leio, Eu creio. Leia a Bíblia para ser sábio; creia na Bíblia para ser salvo; observe e siga seus ensinamentos para viver em santidade de vida – Lael d’Almeida
 
SANTIDADE é o que deseja o coração de Deus para o seu povo desde os primórdios da humanidade até os dias de hoje. Ele diz: “Sede santos, porque eu sou santo” (Levítico 11.45; 19.2; 1Pedro 1.16).
 
Deus deseja que o seu povo em cada geração seja exclusivo, separado, consagrado somente a ele. Esse anseio do coração de Deus é demonstrado em toda Bíblia. 
 
Daniel e seus amigos: Sadraque, Mesaque e Abede-Nego são para o povo de Deus e para a igreja de Jesus Cristo, em todos os tempos e gerações, exemplo de SANTIDADE – separação, consagração e dedicação de vida a Deus, obediência e fidelidade a Deus. 
 
A pessoa crente e santificada opõe-se a todo tipo de pecado; anda nos estatutos do Senhor, guarda os seus juízos e os observa.
 
Na Bíblia, as palavras: santo e santidade juntas totalizam 361 referências, notadamente e quase sempre se referindo ao caráter espiritual dos filhos e servos de Deus, sendo 29 para santidade e 332 para santo.
 
Toda pessoa que crê no Deus Santo deve buscar a SANTIDADE. Ser santo não é opção de vida, mas imperativo para quem nasceu de novo e se tornou filho e filha de Deus.
 
A SANTIDADE é uma qualidade moral de pureza do espírito, alma e corpo. O cristão é, portanto, uma pessoa diferente vivendo em meio a outras pessoas sem essa característica de vida.
 
Podemos afirmar que Deus é 100% santo e essa qualidade de ser santo, puro, sem mistura de vida, deve fazer parte da vida do cristão. Assim, os traços e o caráter da personalidade cristã – amor, fé, paz, mansidão, sinceridade, bondade, honestidade – vão sendo dia a dia confirmados, desenvolvidos e amadurecidos.
 
Assim como saúde é ausência de doença no corpo, a SANTIDADE é ausência de pecado ativo no corpo e na vida do cristão, porque já foi confessado e perdoado.
 
Deus espera santidade do seu povo
 
A unidade dos membros no corpo vivo de Cristo – a igreja, e a variedade de funções e ministérios são requisitos para o crescimento e fortalecimento da igreja – o corpo de Cristo. Duas palavras apenas dão a dinâmica para o crescimento e fortalecimento dos membros e da igreja de Cristo: amor e responsabilidade, isto é, amor a Deus e ao próximo, e responsabilidade no exercício dos dons espirituais e no desenvolvimento de ministérios e tarefas servindo ao Senhor.
 
No versículo 1 do capítulo 4 da Carta aos Efésios, o apóstolo Paulo exorta os irmãos da igreja cristã de Éfeso sobre como deveriam andar. Diz ele: “...andeis de modo digno da vocação a que fostes chamados” (v. 1). 
No versículo 2, Paulo apresenta as qualidades imprescindíveis que devem ser encontradas na vida dos filhos de Deus. São elas: humildade, mansidão, longanimidade e suportar uns aos outros em amor.
 
Nos versículos 3 a 16, ele justifica por que e mostra os resultados na vida do cristão e da igreja que vivem em obediência à Palavra de Deus, andando de modo digno da sua nova vida em Cristo – sendo ele uma nova criatura (2Coríntios 5.17). E, no versículo 16, ele resume dizendo: “...todo o corpo, bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor” (Efésios 4.16).
 
Já nos versículos 17 a 20, Paulo compara e faz uma distinção entre a maneira de como deve andar o cristão com a maneira como andam os gentios [A palavra gentios, no plural, é indicação de quem que não pertencia à casa de Israel. Paulo usa gentios em suas cartas para referir a todo pessoa que não seguia a Cristo]. Daí, ele afirmar: “...no Senhor testifico que não mais andeis como também andam os gentios, na vaidade dos seus próprios pensamentos (...) por causa da ignorância (...) e dureza do seu coração (...) cometerem toda sorte de impureza. Mas não foi assim que aprendestes a Cristo”. Ou seja, não é como andam os gentios, que vocês, discípulos de Cristo, aprenderam a andar conforme Cristo ensinou.
 
Os versículos 21 a 24 devem ser lidos, relidos até entrarem e alojarem na nossa mente e penetrarem nossas entranhas (consideradas, no tempo de Paulo, a sede das emoções) e ainda, promoverem, se for preciso, mudança na nossa maneira de viver e andar.
 
As expressões “despojeis” e “revistais”, nos versículos 22 e 24, deixam claro que os trajes da velha vida devem ser abandonados para a nova criatura vestir a nova indumentária branca da SANTIDADE.
 
Entre os versículos 22 e 24 temos o versículo 23 e dele extraímos a expressão: “vos renoveis no espírito do vosso entendimento”. A renovação é um processo contínuo do Espírito Santo e, só pela renovação do Espírito, é possível viver a vida cristã em SANTIDADE. Então, o que vamos fazer? – Pedir, buscar e deixar o Espírito Santo processar SANTIDADE em nossa vida.
 
Santidade nos faz humildes e mais unidos
 
O nosso propósito como filhos e servos de Deus, discípulos e igreja de Cristo é viver em santidade, unidade e comunhão. O que fazer para viver em SANTIDADE? A esta pergunta cabe uma resposta prática. E a resposta é: precisamos ser primeiramente, humildes e assumir atitude de humildade diante de Deus, diante dos líderes e uns para com os outros. A humildade, sinceridade e fidelidade forma um dos requisitos para sermos unidos e fortes em Cristo.
 
Lendo a Carta aos Filipenses, capítulo 2, versículos 1 a 4, encontramos a segunda parte da resposta prática à pergunta: O que fazer para viver em SANTIDADE? – Permitir que o amor que nos une a Cristo promova o nosso relacionamento fraternal, a comunhão do Espírito, a unidade de propósitos, pensamentos e sentimento. Vamos recordar agora, o que nos exorta o apóstolo Paulo, lendo Filipenses 2.1-4: “Portanto, se há algum conforto em Cristo, se alguma consolação de amor, se alguma comunhão no Espírito, se alguns entranháveis afetos e compaixões, completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa. Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros”. 
 
Santidade nos faz parecidos com Cristo
 
Todos nós, membros do corpo vivo de Cristo – a igreja – somos chamados e temos de Deus a vocação para viver a vida cristã de tal maneira que as pessoas, fora da igreja, vão nos identificar e confirmar que somos filhos de Deus. O conselho que nos dá o apóstolo Paulo na Carta as Efésios 2.4 aponta para as qualidades e virtudes cristãs que precisam ser encontradas em nós, ou seja, no nosso modo de viver, falar, agir, relacionar com os irmãos em Cristo, com os líderes e liderados, patrões e empregados ou qualquer outra pessoa.
 
Abra a sua Bíblia em Colossenses 3.12-17 e leia com atenção e conheça as virtudes que nós, igreja de Cristo, membros do seu corpo, filhos e povo de Deus, devemos cultivar; caso contrário, vamos ser instrumento que prejudica e atrapalha a igreja de Cristo viver e trabalhar servindo a Deus em SANTIDADE de vida. 
 
Agora, após a leitura, apresento um resumo de como o nosso Deus e Pai quer que nós, como igreja de Cristo, devamos viver, já que fomos chamados para crescer, crescer e crescer em qualidade e em quantidade. Isto é, em qualidade, nos referimos à saúde espiritual que agrada a Deus e, em quantidade, referimos ao cumprimento do IDE de Jesus. Leia essa ordem do Mestre que está registrada em Mateus 28.19.
 
Eis o resumo de Colossenses 3.12-17. Três expressões do apóstolo Paulo merecem destaque neste texto. São elas: “Eleitos, santos e amados”. Elas são transferidas da chamada Antiga Aliança de Deus com o seu povo para a Nova Aliança, ou seja, do Israel nação territorial – povo escolhido de Deus no passado – para o Israel espiritual –  povo liberto, redimido e resgatado do pecado e da perdição eterna mediante o sacrifício de Jesus na cruz do Calvário.
 
SANTIDADE nos faz parecidos com Cristo quando ele é tudo em todos. Resultado: Não há divisões na igreja de Cristo (v. 11); as qualidades e virtudes cristãs de cada crente em Jesus aparecem (v. 12); cada um e todos têm disposição para compreender e perdoar (v. 13); o relacionamento dos irmãos é saudável por causa do amor fraternal (v. 14); a paz e a gratidão reinam nos corações (v. 15); a igreja passa a ser relevante no bairro e na sociedade em geral (v. 16); os crentes glorificam e refletem a glória de Deus (v. 17).
 
Conclusão
 
SANTIDADE – eu preciso querer, buscar e viver.
 
SANTIDADE – significa ser e estar separado, consagrado para Deus. Logo, sem separação e consagração da vida a Deus, não se pode viver em SANTIDADE de vida cristã.
 
SANTIDADE– na vida do crente faz o seu coração puro; e, com o coração puro ele consegue ver pureza em tudo e no próximo, seu semelhante. O contrário é ver impureza em tudo e interpretar com malícia palavras, comportamentos e ações dos outros.
 
SANTIDADE – é propósito de Deus para o seu povo; visa unidade, comunhão, aperfeiçoamento e crescimento. É o que Deus, pelo seu Espírito, revelou a Paulo que registrou conforme está escrito na Carta aos Efésios 4,7-14, para que a igreja de Cristo fosse instruída: “Mas a graça foi dada a cada um de nós segundo a medida do dom de Cristo. Por isso diz: Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro, E deu dons aos homens. Ora, isto ele subiu que é, senão que também antes tinha descido às partes mais baixas da terra? Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas. E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente”.



Lael d’Almeida
Pastor da Igreja